Apresentador defensor de Bolsonaro Xinga Ivete Sangalo de “vagabunda”

Apresentador defensor de Bolsonaro Xinga Ivete Sangalo de “vagabunda”
Apresentador defensor de Bolsonaro Xinga Ivete Sangalo de “vagabunda”

Apresentador defensor de Bolsonaro Xinga Ivete Sangalo de “vagabunda”

Mais uma polêmica envolvendo a cantora Ivete Sangalo e Bolsonaro ocorreu nesta quinta-feira. Desta vez, Luiz Almir, apresentador do Nordeste Urgente, na Band Rio Grande do Norte e ex-vereador de Natal que a chamou de “vagabunda”, “velha”, “feia” e “trouxa”.

Ivete tem sofrido muitos ataques de bolsonaristas após ter apoiado um protesto contra o presidente Jair Bolsonaro (PL), durante um dos seus shows.

“A vagabunda da Ivete ‘Sangala’ vem fazer um show para ganhar dinheiro do povo besta do Rio Grande do Norte, em um hotel cinco estrelas, cujo o dono deve ser irresponsável também, pois se fosse no meu hotel, eu tinha botado ela pra fora”, começa o apresentador durante o programa na Rádio 96 FM.

Ele continuou com as ofensas e disse que Ivete é “cantora em decadência, velha, feia e frouxa” e que não deveria se posicionar contra “a maior autoridade do país”.

Durante um show no dia 29 de dezembro em Natal, no Rio Grande do Norte, Ivete Sangalo incentivou após o público puxar o coro de “Ei, Bolsonaro, vá tomar no c*”. Após os gritos dos fãs, a cantora emenda com um “tá baixinho, não ouvi”. Depois ela diz que Bolsonaro “vai acabar escutando [os gritos] de tão alto que foi”.

Após ter alta do hospital em que estava internado com uma obstrução intestinal, Bolsonaro comentou o caso e disse que Ivete só apoiou o protesto por não receber mais verba da Lei Rouanet.

No entanto, de acordo com informações do Portal Terra a cantora Ivete Sangalo não utiliza a Lei Rouanet. Os dados abertos de projetos inscritos em Leis de Incentivo à Cultura não registram nenhum projeto da cantora ou de empresas de que é sócia.

Ao longo dos quase 30 anos de sua carreira, só dois projetos buscaram incentivo em nome de Ivete Sangalo. Em 2016, ela chegou a ser autorizada a captar até R$ 1,3 milhão para um show com a Orquestra Juvenil da Bahia, mas não levantou nenhum recurso. No ano seguinte, ela buscou desenvolver uma produção audiovisual, mas a captação não foi aprovada.

A única captação da Lei Rouanet relacionada a Ivete aconteceu, ironicamente, durante o governo Bolsonaro. Em fevereiro de 2019, a produtora Madeirada Produções captou R$ 813 mil para fazer seis shows da cantora. Mas o projeto não foi iniciativa da artista ou de seus sócios.

>>Bolsonaro deixa hospital e ataca Ivete Sangalo: “Acabou a teta gorda”