Bolsonaro diz ser contra realização do Carnaval em 2022

Bolsonaro diz ser contra realização do Carnaval em 2022
Bolsonaro diz ser contra realização do Carnaval em 2022

Bolsonaro diz ser contra realização do Carnaval em 2022

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse ser contra a realização do Carnaval em 2022 em razão dos riscos de um novo surto de Covid-19 no Brasil. Bolsonaro falou sobre este e outros assuntos, durante entrevista à Rádio Sociedade, da Bahia, nesta quinta-feira, 25.

Após tecer a sua opinião sobre o assunto, Bolsonaro justificou que não pode fazer nada, já que foi decidido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) o direito de estados e municípios decretarem medidas para evitar a disseminação da doença.

“Por mim não teria Carnaval. Mas tem um detalhe: quem decide não sou eu, segundo o STF, quem decide são os governadores e prefeitos […] ano passado, ainda estava engatinhando questão da pandemia, não tinha óbito no Brasil, eu decretei emergência, e governadores e prefeitos ignoraram. As consequências vieram e hoje temos mais de 600 mil óbitos”, disse o presidente.

Bolsonaro enfatizou ainda que a folia já não deveria ter sido permitida em 2020, e diz que a atitude dos governadores e prefeitos geraram “consequências” que resultaram na morte de mais de 600 mil brasileiros.

Além das mortes, o presidente destacou durante a entrevista que a política de implantar medidas de restrição não surtiram efeito, ou pior, contribuíram para prejudicar a economia já fragilizada do país. Bolsonaro disse ainda, que apesar disso, o Brasil tem conseguido, segundo o presidente, gerar empregos e manter a “economia viva”.

No ano corrente já foram criados no Brasil 2,5 milhões de empregos, desburocratizando, desregulamentando, e isso atinge as 27 unidades da federação […] com o auxílio-emergencial também mantivemos a economia viva e evitamos que pessoas sofressem mais ainda”, destacou o presidente.

Criticas ao Lockdowns e vacinação

Mesmo diante de todas as evidências científicas, o presidente novamente se colocou contrário as medidas de restrição de circulação de pessoas e sugeriu que o país não vai suportar mais uma vez novos “lockdowns”.

“Alguns países da Europa decretaram lockdown, se tiver outro lockdown aqui, estados e municípios vão quebrar de vez e a economia do país vai parar”, disse Bolsonaro.

Entre outras declarações, o chefe do Executivo ainda afirmou que a vacina contra covid-19 perde validade depois de seis meses. “Quem está contaminado tem imunidade por muito mais tempo, isso está comprovado”, declarou, sem respaldo científico. Na verdade, a imunidade induzida pelas vacinas é mais duradoura e efetiva do que a obtida pela contaminação, de acordo com especialistas.

>>Ministério da Saúde recomenda dose de reforço da Janssen

Veja mais