Lançado há seis meses, PIX soma R$ 1 tri em transações e responde por metade das transferências

Lançado há seis meses, PIX soma R$ 1 tri em transações e responde por metade das transferências

Seis meses após ter sido lançado, o PIX, sistema que permite transferências e pagamentos instantâneos, soma mais de R$ 1 trilhão em transações e já responde por mais da metade das transferências bancárias, mostram dados do Banco Central.

O desempenho, que surpreendeu técnicos do BC, desenvolvedor da ferramenta, pode crescer ainda mais nos próximos meses, quando novas funções entram em operação.

>>Novo lote com mais de 560 mil doses de vacina contra a Covid-19 chega à Bahia

Entre essas funções, estão o PIX saque e o PIX troco, que vão, respectivamente, permitir que clientes façam saques em dinheiro ou então obtenham troco em moeda após pagamento por uma mercadoria com uso do PIX, por exemplo.

“Essa é uma funcionalidade que vai trazer muitos benefícios à população, principalmente às pessoas que vivem nas periferias das grandes cidades, onde as redes de ATM [caixas eletrônicos] não estão tão presentes, e nas pequenas cidades também”, diz Ângelo Duarte, chefe do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro do Banco Central.

>>Prova de vida do INSS volta a valer a partir de junho nas agências

Duarte informou ainda que a instituição trabalha para que o sistema passe a fazer transações “offline”, ou seja, sem que o cliente esteja conectado à internet. O objetivo é permitir que brasileiros sem acesso permanente à rede também tenham condições de aderir ao PIX.

Números do PIX

De acordo com o Banco Central, o PIX respondeu, em abril, por 51% de todas as transações bancárias do país. Foi a primeira vez que o sistema instantâneo foi utilizado em mais da metade dessas operações.

Os outros 49% das transações foram feitas via TED, DOC, boleto bancário e cheque. Esse dado, portanto, não inclui as operações feitas por cartão de crédito, por exemplo.

>>Senado aprova redução na tarifa de energia elétrica por 5 anos

Ainda segundo o Banco Central, cerca de 1/3 dos brasileiros adultos já utilizaram o PIX ao menos uma vez.

No total, entre novembro de 2020 e abril de 2021, os bancos cadastraram 404 milhões de usuários para uso do PIX. A maior parte deles (94%) são pessoas físicas.

Nesse período de seis meses, foram cadastradas 1,007 bilhão de chaves, que permitem o uso do PIX. Apenas no mês de abril de 2021 foram 230,6 milhões de chaves cadastradas, sendo:

  • CPF – 72,5 milhões
  • Número de celular – 51,034 milhões
  • email – 33,670 milhões
  • CNPJ – 4,658 milhões
  • Chaves aleatórias – 68,7 milhões

>>TCA abre inscrições para cursos de iniciação musical sinfônica até 16 de maio

Ainda de acordo com o Banco Central, a maior parte das transações são feitas entre pessoas físicas. Do total de 410 milhões de transações realizadas apenas em abril, 313,5 milhões (76,5%) foram entre duas pessoas.

Quando considerado o volume financeiro, as transações entre pessoas físicas também são maioria, mas a diferença é menor. Em abril, dos R$ 272,9 milhões em operações, R$ 115,9 milhões foram entre duas pessoas e, outros R$ 97,8 milhões, entre duas empresas.

Veja mais