Projeção do salário mínimo e aposentadorias para 2024 enche os olhos dos brasileiros

Vale ressaltar que esse valor ainda não inclui o índice de aumento real, ou seja, o aumento acima da margem, que será definido até o final do ano.

Projeção do salário mínimo e aposentadorias para 2024 enche os olhos dos brasileiros

De acordo com as projeções do novo Boletim Macrofiscal, divulgado pela Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia em 19 de julho de 2024, está previsto um reajuste de pelo menos 4,48% no salário mínimo para o próximo ano. Com esse aumento, o piso nacional, que atualmente é de R$ 1.320, passará para R$ 1.379, representando um acréscimo de R$ 59.

Vale ressaltar que esse valor ainda não inclui o índice de aumento real, ou seja, o aumento acima da margem, que será definido até o final do ano. Essa alteração no piso nacional terá efeitos em aposentadorias, abono salarial e benefícios sociais, afetando diretamente a vida de milhões de trabalhadores e beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

De acordo com estimativas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo é a base da remuneração de nada menos que 60,3 milhões de trabalhadores e beneficiários do INSS.

O último reajuste no salário mínimo ocorreu em 1º de maio, quando o valor subiu de R$ 1.302 para R$ 1.320, representando um aumento de R$ 18, o equivalente a 1,38%. No início do ano, em 1º de janeiro, já havia ocorrido um aumento de R$ 90, elevando o piso de R$ 1.212 para R$ 1.302, o que teve um impacto de R$ 69,3 bilhões na economia.

Como é baseado o cálculo do reajuste

O cálculo do reajuste é baseado no aumento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação das famílias com renda de até cinco salários mínimos e serve como referência para determinar o valor do seguro mínimo. Com a desaceleração da inflação, o governo revisou a projeção do INPC de 5,34% para 4,48%. Contudo, espera-se que ainda seja acrescido um ganho real, ou seja, um aumento acima da sobrevivência.

Com o objetivo de estabelecer uma política de preservação contínua do salário mínimo, o governo encaminhou ao Congresso, em maio, um projeto de lei com esse propósito.

Essas projeções e reajustes são fundamentais para garantir um equilíbrio entre o poder de compra dos trabalhadores e a capacidade financeira do país, buscando proporcionar melhores condições de vida para a população que depende do salário mínimo como principal fonte de renda.

Veja também: Inscrições para concurso do IBGE com 7.500 vagas terminam neste domingo