Quatro situações em que jamais deve usar Azeite Extra Virgem

Quatro situações em que jamais deve usar Azeite Extra Virgem.
Quatro situações em que jamais deve usar Azeite Extra Virgem.

Quatro situações em que jamais deve usar Azeite Extra Virgem.

O azeite representa a essência da cozinha mediterrânea e é um dos óleos mais saudáveis do mundo. É também um ingrediente extremamente útil e versátil – tanto na cozinha como nas rotinas de beleza -, mas, não deve ser usado de todo em algumas situações. A revista Prevention destacou quatro momentos em que o melhor é evitá-lo:

1. Se não sabe de onde vem. Infelizmente há muito azeites falsificados à venda. Se não sabe de onde veio produto, é melhor não usá-lo ou optar por comprar um de origem fidedigna.

2. Para fritar. Cientistas afirmam que todos os benefícios do azeite se perdem e pode inclusive tornar-se prejudicial para o coração quando este é aquecido a temperaturas acima de 320 graus, no caso do extra virgem, e 420 graus no caso do azeite virgem. Quando um óleo é aquecido, ocorre um processo de hidrogenação, fazendo com que o líquido ganhe saturação devido à adição de diversos átomos de hidrogénio. Não é dramático, mas simplesmente o azeite perderá todas as qualidades que o distinguem do óleo vegetal, por exemplo. Para ser saudável, o azeite deve ser consumido cru.

3. Para grelhar. Muitas receitas recomendam marinar a carne e os vegetais que vão ser grelhados com azeite e especiarias, ou mesmo pincelar a grelha com azeite para evitar que os alimentos fiquem colados. Fazer isto provavelmente não vai fazer mal à saúde, mas também não contribui para que os grelhados sejam de facto saudáveis, pois o azeite vai queimar, criar chamas, e pode até dar um sabor a gás ou a queimado aos alimentos. Os especialistas recomendam que as grades sejam pinceladas com um óleo que necessite de uma temperatura mais elevada para queimar, como o óleo vegetal, de coco ou de semente de uva, e que depois de os alimentos estarem grelhados, sejam temperados com um azeite extra virgem de qualidade.

4. Em peles oleosas. São bem conhecidas as propriedades hidratantes do azeite para o cabelo e para a pele. Na verdade, este ingrediente é abundantemente utilizado em máscaras para o cabelo e cremes de corpo, sabonetes, gel de banho, etc. No entanto, é preciso ter cuidado, já que este ‘ouro líquido’ pode provocar danos nas peles oleosas e propensas a acne, na medida em que o azeite é comedogénico, ou seja, pode obstruir os poros. Ao invés, os especialistas recomendam o uso de óleo de girassol, óleo de prímula ou de argão.

Veja mais