Rodoviários aprovam greve e ameaçam parar atividades em Salvador

Rodoviários aprovam greve e ameaçam parar atividades em Salvador
Rodoviários aprovam greve e ameaçam parar atividades em Salvador. Foto: Rildo Araújo / TV Bahia

Rodoviários aprovam greve e ameaçam parar atividades em Salvador

Os rodoviários do Consórcio Salvador Norte (CSN) aprovaram o estado de greve durante assembleia virtual realizada na última segunda-feira (26). De acordo com o diretor de comunicação do Sindicato dos Rodoviários da Bahia, Daniel Mota, o prazo para assinatura do acordo para pagamento das verbas rescisórias dos profissionais demitidos feito pela prefeitura de Salvador e a empresa encerra nesta quinta (29). Caso não seja feito, os trabalhadores da CSN entrarão em greve geral por tempo indeterminado a partir da sexta (30).

>>Polícia Federal realiza operação contra tráfico internacional de drogas em Simões Filho

“Ficaram de assinar a minuta para liberar as verbas rescisórias até amanhã. Essa minuta visa a venda de terrenos da CSN. A prefeitura também ficou de liberar R$ 20 milhões para ajudar nos pagamentos dos trabalhadores, mas até o momento isso não ocorreu”, afirmou Mota.

>>Em áudio vazado, ministro admite que tomou vacina escondido e alerta presidente

Diante do impasse da resolução das obrigações trabalhistas da empresa CSN, os rodoviários cruzaram os braços na manhã do último dia 19. O protesto aconteceu das 4h às 8h nas outras empresas, no entanto na CSN durou mais tempo. Nenhum veículo convencional saiu às ruas durante o período da manifestação. Apenas os ônibus do transporte complementar (amarelinho) e ônibus intermunicipais circularam na cidade.

>>“Apenas uma traição”, declara Igor Kannario ao justificar motivo de separação

Em audiência intermediada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT) no dia 20 de abril, sindicato, prefeitura de Salvador e a CSN assinaram um acordo parcial para pagamento de FGTS e seguro-desemprego aos rodoviários demitidos. Com isso, o FGTS e o seguro-desemprego seriam liberados após a apresentação de alvarás judiciais coletivos à Caixa Econômica Federal acompanhados da lista apresentada pelo sindicato.

Veja mais