Brasil aplica 2,5 milhões de doses contra covid em 24h e bate recorde

Brasil aplica 2,5 milhões de doses contra covid em 24h e bate recorde
Brasil aplica 2,5 milhões de doses contra covid em 24h e bate recorde. Foto: Agência Brasil

Brasil aplica 2,5 milhões de doses contra covid em 24h e bate recorde

O Brasil bateu o recorde diário de vacinação contra a covid-19 desde o começo da campanha em janeiro deste ano. De acordo com o Ministério da Saúde, foram 2.561.553 de doses de imunizantes aplicados na última quinta-feira (17).

A primeira dose já foi aplicada em 60.066.656 de pessoas, o que representa 37,5% da população que já pode ser vacinada e 28,17% da população brasileira.

A estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) é que o Brasil tem 213,2 milhões de habitantes. Já o Ministério da Saúde estima a população vacinável em 160 milhões de pessoas.

>>Enem: hoje é o último dia para pedir recurso de isenção de taxa

No caso da segunda dose, o país tem 24.035.499 de habitantes totalmente imunizados, o que significa 15,01% dos brasileiros acima de 18 anos, que são os aptos a vacinar, e 11,2% da população brasileira.

Vacinação por região

A Região Sudeste, liderada por São Paulo, é a que mais vacinou no país, sendo 34.057.067 no total, com 24.841.160 da primeira dose e 9.908.907 da segunda.

O Nordeste é a segunda, com 19.290.574 imunizantes aplicados – 13.865.317 na primeira dose e 5.595.257 da segunda. O Ceará é o estado que mais vacinou na região.

>>Senado aprova MP que viabiliza a privatização da Eletrobras

A Região Sul, com 13.282.836 aplicações, é a terceira, sendo 9.631.933 de primeiras doses e 3.650.903 de segundas. O Rio Grande do Sul é o estado que mais imunizou.

O Centro-Oeste aplicou 6.058.461 de vacinas. Foram 4.402.443 de primeiras doses e 1.656.018 de segundas. Goiás é o estado que lidera as imunizações na região.

No Norte, foram 5.201.626 de imunizantes aplicados, 3.667.477 de primeiras doses e 1.534.149 de segundas. O Pará lidera as vacinações na região.

>>ONU alerta que seca pode ser “a próxima pandemia”

Veja mais